©  2017 LEONCIO DE SOUZA QUEIROZ NETO

Consultório
(19) 3235-2202
(19) 3232-3227
Instituto Penido Burnier
Av. Andrade Neves, 683
Campinas - SP
  • White Facebook Icon
  • White Facebook Icon
  • White Facebook Icon
  • White Facebook Icon
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon
Facebook: Dr. Leôncio Queiroz Neto
Facebook: Tenho Ceratocone
Facebook: Vencer o Glaucoma
Facebook: Cirurgia Refrativa
Facebook: Visão Nublada
Instagram: Dr. Leôncio Queiroz Neto
Canal de vídeo do Youtube
Acompanhe meu trabalho
através das redes sociais:

A cirurgia consiste na retirada do cristalino opaco  e substituição  por uma lente intraocular que é implantada sobre a cápsula onde a lente natural do olho se apoia.

 

Atualmente pode ser feita por facoemulsificação (ultrassom) ou com um laser ultrarrápido, o femtosegundo. Nas duas  técnicas a cirurgia tem efeito refrativo. A correção visual depende do tipo de lente implantada, bem como,  do  conhecimento que o cirurgião tem sobre a fisiologia da córnea e outras condições da saúde ocular que interferem na qualidade da visão.

 

Dependendo do tipo de lente implantada pode permitir que o paciente deixe de usar óculos inclusive para perto. Para deixar de usar óculos e enxergar bem em  todas as distâncias é necessário implantar uma lente intraocular multifocal tórica em pessoas com astigmatismo prévio ou multifocal asférica  para corrigir a visão à distância ou próxima em quem tem miopia ou hipermetropia prévios.

As lentes nacionais são monofocais, ou seja, só corrigem a visão para uma distância. As importadas podem ser monofocais,  tóricas ou multifocais.

 

Por serem de uso exclusivo em cirurgia, as lentes intraoculares só são comercializadas diretamente com o cirurgião que determina qual o tipo de lente a ser utilizado de acordo com a expectativa de cada paciente. Hoje, a maioria das pessoas precisa enxergar bem em todas as distâncias por manter  vida economicamente ativa quando opera a catarata.

 

Facoemulsificação

A cirurgia é realizada no centro cirúrgico sobre anestesia local e havendo necessidade, sedação.

 

Na borda externa da córnea o cirurgião faz uma incisão de aproximadamente 3 mm com uma lâmina, o microcerátomo. Através desta incisão  o ultrassom dissolve e aspira a catarata. A lente é inserida dobrada pela mesma incisão e se abre sobre a capsula do cristalino.

 

Não é necessário pontos e o paciente recebe alta imediatamente após a cirurgia, finalizada com um curativo que é retirado no dia seguinte.

 

Após o procedimento são indicados pelo cirurgião um colírio anti-inflamatório e outro antibiótico que devem ser utilizados estritamente no período prescrito pelo oftalmologista.

Cirurgia a laser

A sedação permanece idêntica à da facoemulsificação.O sistema possui dois componentes integrados: um laser de femtosegundo, tecnologia utilizada na cirurgia refrativa feita inteiramente a laser, e uma OCT (tomografia de coerência ótica). Esta integração de tecnologias e o fato dos cortes manuais serem substituídos por corte a laser aumenta a precisão e previsibilidade da cirurgia Mas a aspiração do cristalino continua sendo feita pelo ultrassom.

 

A OCT tira medidas das duas faces da córnea, do cristalino e da câmara posterior que são projetadas em telas para o cirurgião programar os cortes da cirurgia conforme a anatomia de cada olho.

 

O laser, faz cortes precisos e numa inclinação autosselante que dispensa o fechamento com pontos. Esta precisão, evita distorções visuais provocadas por cicatrização irregular. Por isso, a cirurgia pode zerar o grau de astigmatismo com uma incisão relaxante na córnea, localizada no lado oposto ao desvio do eixo da visão.

 

Também personaliza a capsulohexis, corte circular contínuo na face anterior da cápsula do cristalino. Esta personalização evita o deslocamento da lente intraocular e melhora a correção de aberrações visuais que atrapalham a visão noturna.

 

A cirurgia a laser é mais segura porque a fragmentação nuclear é feita pelo laser. Por isso, o olho fica menos tempo exposto ao calor do ultrassom. Isso diminui a morte de células do endotélio, camada interna da córnea. Estas células são irrecuperáveis e fundamentais para a boa visão porque garantem a transparência da córnea.

 

Apesar da técnica ser mais segura é contraindicada para catarata muito madura porque o cristalino se torna muito rígido e pode causar lesão na cápsula posterior.

Cirurgia Catarata